Sindicato

Notícias
Banco é condenado por coagir empregados a desistir de ações trabalhistas
 
O Banco do Brasil S.A. terá de pagar indenização de R$ 500 mil por dano moral coletivo por ter coagido empregados a desistir de ações trabalhistas ajuizadas individualmente ou por meio do sindicato. A decisão é da Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho, que considerou que a conduta da empresa desprezou a ordem constitucional e as regras trabalhistas.

Dano à coletividade

De acordo com a denúncia apresentada ao Ministério Público do Trabalho (MPT), em novembro de 2009, o banco, por meio do seu diretor jurídico, teria coagido empregados, sobretudo advogados, para que desistissem das ações, sob ameaça de demissão ou perda de comissão. Na ação civil pública, o MPT pediu a condenação da empresa ao pagamento de indenização de R$ 5 milhões por dano moral coletivo, com o argumento de que o dano dizia respeito a toda a toda a categoria e à própria sociedade, pois violaria a ordem social.

Número restrito

O banco, em sua defesa, disse que o MPT havia embasado o alegado direito coletivo num número restrito de empregados, integrantes do seu quadro jurídico, que supostamente teriam sofrido dano “decorrente de razões diversas, sem origem comum”.

Parcela específica

A tese de lesão à coletividade foi acolhida pelo juízo da 12ª Vara do Trabalho de Brasília, que fixou a indenização em R$ 500 mil. Contudo, a decisão foi reformada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (DF/TO), que não viu na conduta do banco ato atentatório à coletividade. “Os atos supostamente imputados ao banco foram dirigidos a uma parcela específica de funcionários, qual seja, a dos advogados”, registrou o TRT.

Desrespeito à liberdade

No exame do recurso do MPT pela Primeira Turma, prevaleceu o voto do relator, ministro Hugo Scheuermann, pelo restabelecimento da sentença. O relator acentuou que a conduta do banco não atingiu apenas a esfera individual dos trabalhadores afetados, mas causou, também, intolerável desrespeito à liberdade de ação e de associação dos trabalhadores, o que afeta toda a coletividade.

A decisão foi unânime.

Fonte:TST
_
Últimas Notícias
> Golpes bancários: como proteger contas e celular de ataques
> BB lucra R$ 7,8 bilhões no 2º trimestre, alta de 55%
> XP tem lucro de R$ 1,05 bilhão no segundo trimestre
> Programa ‘Caixa para Elas’ vai focar em relacionamento para clientes mulheres
> Campanha Salarial: 8⁰ encontro termina sem avanços
> Mesmo com Pix, lucro dos bancos cresce 49% e foi de R$ 132 bilhões em 2021
> Auxílio de R$ 600, vale-gás e benefício a caminhoneiros começam a ser pagos nesta terça
> Caixa inicia pagamento dos benefícios para caminhoneiros e taxistas
> Bradesco lucra R$ 7,04 bilhões no segundo trimestre de 2022
> Bandidos escapam pelo telhado após roubo a banco no litoral de SP
> Saque-aniversário do FGTS para nascidos em agosto está disponível
> Banco do Brasil libera mais de R$ 2 bilhões a empresas dirigidas por mulheres
> Trabalhadores esquecem R$ 562,9 milhões no PIS/Pasep; veja como sacar
> Santander Brasil tem lucro de R$ 4 bilhões no 2º trimestre
> Caixa anuncia contratação de 500 empregados para reforçar atendimento

DALILA DA SILVA VILAS BOAS - BANCO DO BRASIL S/A 15/08
MARCELO HENRIQUE ANDRADE - BANCO DO BRASIL S/A 15/08
Veja lista de aniversariantes do mês  
Selos

 

     

® 2012 - SINTRAF - Todos os direitos reservados. - Avenida Santo Antônio, 200 - Sala 04 | Poços de Caldas - MG| Cep 37701-036 | Tel.: (35) 3721-9804 Domynio