Sindicato

Notícias
Justiça condena banco a pagar indenização a ex-funcionária por ‘impedi-la’ de engravidar
 
Mulher será indenizada por danos morais no valor de R$ 10 mil; Decisão ainda cabe recurso
Em decisão unânime, desembargadores da da 7ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-RS) reconheceram que havia uma conduta reiterada do banco, por meio do gerente, que atentava contra a dignidade e a saúde mental da assistente administrativa

A decisão unânime da 7ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-RS) confirmou a sentença do juiz Rafael Flach, da Vara do Trabalho de Rosário do Sul. Os desembargadores reconheceram que havia uma conduta reiterada do empregador, por meio do gerente, que atentava contra a dignidade e a saúde mental da assistente administrativa. O valor da indenização foi aumentado de R$ 5 mil para R$ 10 mil.

Pela prova oral, foi comprovado o tratamento desrespeitoso e as situações degradantes e constrangedoras às quais a trabalhadora era submetida pelo gerente. A chefia fazia cobranças abusivas e estabelecia metas inatingíveis. Os empregados eram obrigados, inclusive, a adquirir produtos do banco para alcançar as exigências mensais. Além disso, o gerente não aceitava que as empregadas engravidassem.

Levado à audiência pelo próprio banco, um ex-estagiário afirmou que o gerente tinha atitudes questionáveis em relação às mulheres. Na época em que o depoente entrou no banco, duas colegas engravidaram e depois outra. “Ele (o gerente) teve um surto. Falou que ia colocar na agência uma máquina de pílula do dia seguinte, falou que tinha que ter fila para engravidar; também falou na reunião que só contrataria homens, pois não engravidam”, contou a testemunha.

O juiz Rafael afirmou que o comportamento do empregador foi totalmente reprovável e rompeu o equilíbrio psicológico da empregada. “O superior hierárquico tornava o meio ambiente de trabalho da reclamante penoso e opressor”, disse o magistrado. A empresa negou a conduta abusiva e recorreu ao Tribunal para anular a sentença. A autora, por sua vez, interpôs recurso para majorar o valor da condenação.

Para o relator do acórdão, desembargador Emílio Papaléo Zin, o direito à reparação está amparado pelo inciso X, do artigo 5º da Constituição Federal, que prevê a inviolabilidade da intimidade, da vida privada, da honra e da imagem. Ele ressaltou, também, o art. 186 do Código Civil, sobre o cometimento de ato ilícito por quem violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência.

Participaram do julgamento os desembargadores João Pedro Silvestrin e Wilson Carvalho Dias. Cabe recurso da decisão.

O TRT 4 não divulgou o banco na matéria.

Fonte: TRT 4/O Dia

Diretoria Executiva da CONTEC
_
Últimas Notícias
> BB vai liberar mais R$ 6 bi em crédito para micro e pequenos empresários
> Imposto de Renda: Receita abre consulta ao 1º lote de restituição
> Todo cuidado é pouco quando o assunto é usar o PIX
> Preços no setor dos serviços sobem ao nível mais alto desde 2015
> Trabalhadores poderão comprar ações da Eletrobras com recursos do FGTS
> BB convoca grupo de risco para trabalho presencial
> Governo federal regulamenta o teletrabalho na administração pública
> 13º do INSS: segunda parcela será paga a partir da próxima semana; veja calendário
> Lucro líquido da Caixa é de R$ 2,5 bilhões no trimestre
> Santander insiste em demitir irregularmente, mas justiça reintegra bancária
> Caged mostra redução do emprego bancário
> Aprovada PEC que garante idade máxima de 70 anos para nomeações a tribunais superiores
> Justiça do Trabalho promove mutirão de conciliação
> Auxílio-acidente: veja o que mudou com a nova regra, quem tem direito e como solicitar o serviço
> Bradesco tem lucro de R$ 7 bilhões no primeiro trimestre, alta de 13,9%

MICHELE VIEIRA DA SILVA REIS - BANCO ITAÚ 29/05
MAISA EDUARDA DA SILVA PADUA - CAIXA ECONOMICA FEDERAL 29/05
Veja lista de aniversariantes do mês  
Selos

 

     

® 2012 - SINTRAF - Todos os direitos reservados. - Avenida Santo Antônio, 200 - Sala 04 | Poços de Caldas - MG| Cep 37701-036 | Tel.: (35) 3721-9804 Domynio