Sindicato

Notícias
Bancário do Bradesco vai receber indenização por dano material com benefício previdenciário
 
Segundo o colegiado, indenização e benefício previdenciário não se confundem.

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho deferiu indenização por danos materiais cumulada com o benefício previdenciário a um gerente de relacionamento do Banco Bradesco S.A. e HSBC Bank Brasil S/A – Banco Múltiplo, em Gravataí-RS. O colegiado entendeu que o empregado adquiriu doença profissional decorrente das atividades que realizava na empresa. Nesse caso, afirmaram, a indenização e o benefício previdenciário não se confundem e possuem naturezas distintas.

Afastamento

O Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS) havia limitado a condenação ao pagamento de lucros cessantes (referentes aos danos materiais efetivos sofridos por alguém em função de culpa, omissão ou negligência) em valor correspondente à diferença entre o valor do benefício previdenciário percebido e a remuneração que ele teria se estivesse tralhando, pelo afastamento em benefício previdenciário. Como a doença profissional foi considerada temporária, os lucros, segundo a decisão, deveriam ser pagos enquanto perdurar o afastamento previdenciário.

Pensão

No recurso ao TST, o bancário alegou a possibilidade de cumulação do benefício previdenciário com a pensão mensal. Segundo o relator que examinou o recurso, ministro Alberto Bresciani, o Art. 950, caput, do Código Civil, estabelece que “[…] a indenização, além das despesas do tratamento e lucros cessantes até ao fim da convalescença, incluirá uma pensão correspondente à importância do trabalho, para que se inabilitou, ou da depreciação que ele sofreu”.

Cumulação

Quanto à possibilidade de cumulação de benefício previdenciário, com indenização por danos materiais, o relator afirmou que essas prestações não se confundem, uma vez que possuem naturezas distintas – uma civil e outra previdenciária -, estando a cargo de pessoas diversas. Considerando, portanto, não haver óbice à sua cumulação, o relator deferiu o pagamento da indenização por dano material, sem o desconto do benefício previdenciário. Processo: ARR-20454-79.2017.5.04.0030

Fonte: TST

Diretoria Executiva da CONTEC
_
Últimas Notícias
> Itaú, Bradesco, BB e Santander mostram força na crise com números do 2º tri
> Bolsonaro edita MP que facilita venda de ativos da Caixa
> Inflação de julho é a maior para o mês desde 2016
> Campanha salarial 2020 – FENABAN
> Banco do Brasil tem lucro de R$ 3,2 bilhões no 2º trimestre
> Reunião pelo Zoom AÇÃO COLETIVA. DIA 21 JULHO
> Banco do Brasil: RESULTADO DA CONSULTA DE PROPOSTA DE ACT EM DECORRÊNCIA DA PANDEMIA E ASSINATURA DO ACORDO
> Começa hoje pagamento do abono salarial do PIS/Pasep 2020/2021; veja quem pode sacar
> ELEIÇÕES DA PREVI: Votações se iniciam hoje (13/07)
> Reunião pelo Zoom AÇÃO COLETIVA 17 JULHO
> Governo quer deixar MP das regras trabalhistas perder validade
> O que está acontecendo com o app Caixa Tem e o que o banco diz?
> Centrais sindicais protestam virtualmente e em frente ao Ministério da Economia
> Com home office, BB vai devolver 19 de 35 edifícios de escritórios no país
> Banco do Brasil:CONSULTA DE PROPOSTA DE ACORDO COLETIVO DE TRABALHO EM DECORRÊNCIA DA PANDEMIA

JOAO LUIZ RODRIGUES - CAIXA ECONOMICA FEDERAL - POÇOS DE CALDAS MG 11/08
Veja lista de aniversariantes do mês  
Selos

 

     

® 2012 - SINTRAF - Todos os direitos reservados. - Avenida Santo Antônio, 200 - Sala 04 | Poços de Caldas - MG| Cep 37701-036 | Tel.: (35) 3721-9804 Domynio