Sindicato

Notícias
Bancário incorpora gratificação recebida por mais de nove anos
 
A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho condenou o Banco do Brasil S.A. a incorporar ao salário de um bancário uma gratificação de função recebida durante mais de nove anos e retirada depois que se afastou por problemas de saúde. A decisão segue a jurisprudência do TST, que admite a incorporação antes do período de dez anos se o afastamento do cargo tiver como objetivo impedi-lo de completar o prazo para a incorporação.

O bancário recebeu a gratificação de caixa executivo de 2001 a 2010. Após alta previdenciária, voltou a exercer a função, a título precário, por oito meses, e por isso pediu a condenação do banco ao seu pagamento a partir da supressão e à incorporação da parcela ao salário.

O banco, em sua defesa, sustentou que a gratificação e a verba conhecida como quebra de caixa são inerentes à função de caixa e só podem ser pagas a quem efetivamente a exerce. Argumentou ainda que a lei não considera a reversão do empregado ao cargo efetivo como alteração unilateral do contrato de trabalho (artigo 468, parágrafo 1º, da CLT).

O juízo da 1ª Vara do Trabalho de Florianópolis (SC) observou que a gratificação, paga por mais de nove anos, somente foi suprimida em razão do afastamento decorrente dos problemas de saúde que acometeram o bancário. “Não há nos autos nenhum indício de que ele seria retirado da função de caixa executivo caso não tivesse se afastado do trabalho”, afirmou a sentença. “Ao contrário, a expectativa é que permanecesse, situação que poderia perdurar por toda a vida profissional do trabalhador”. Considerando que houve ofensa ao princípio da estabilidade financeira, condenou o banco a pagar a gratificação referente ao período de supressão e a incorporá-la com base no último valor recebido.

Mas Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (SC) entendeu que o bancário não preencheu os requisitos da Súmula 372 do TST, que garante a incorporação a partir dos dez anos, e entendeu que a alteração não foi lesiva, absolvendo o banco do pagamento.

O relator do recurso do bancário ao TST, ministro Mauricio Godinho Delgado, citou diversos precedentes no sentido da possibilidade de incorporação antes do período de dez anos quando houver, por parte do empregador, descomissionamento obstativo ao direito do trabalhador. E, na sua avaliação, a decisão regional contrariou o espírito da Súmula 372, fundada no princípio da estabilidade financeira. Por unanimidade, a Turma concluiu pela nulidade do ato que suprimiu a gratificação.

Processo: RR-271-60.2014.5.12.0001

Fonte: TST

Diretoria Executiva da CONTEC
_
Últimas Notícias
> CAIXA continuará integralmente pública
> OAB Nacional manifesta preocupação com as privatizações
> Câmara vai votar reforma da Previdência no dia 18 de dezembro, diz líder do governo
> Após Reforma Trabalhista, Volkswagen é condenada por terceirização ilegal
> Só 76 pessoas aderem a PDV do governo; meta era 5 mil
> Com nova regra, empregado intermitente poderá pagar para trabalhar
> Lucro dos 4 maiores bancos cresce 10,4% no 3º trimestre e soma R$ 13,6 bilhões
> Lucro dos 4 maiores bancos cresce 10,4% no 3º trimestre e soma R$ 13,6 bilhões
> Reforma trabalhista entra em vigor e altera contratação, férias e até almoço
> Quem deveria decidir sobre a Previdência: um banqueiro ou a população
> Sindicatos tentam se blindar da reforma trabalhista
> Nova regra trabalhista ameaça dedução de Imposto de Renda
> Banco Central aprova compra do Citibank pelo Itaú Unibanco
> Lucro do Santander Brasil cresce 37,3% no 3º trimestre, mas despesas sobem
> DEFENDER A CAIXA É DEFENDER À HABITAÇÃO

Alex Fabian Amorim - HSBC P. Caldas 17/12
Veja lista de aniversariantes do mês  
Selos

 

     

® 2012 - SINTRAF - Todos os direitos reservados. - Avenida Santo Antônio, 200 - Sala 04 | Poços de Caldas - MG| Cep 37701-036 | Tel.: (35) 3721-9804 Domynio