Sindicato

Notícias
Recuo na reforma da Previdência escancara fragilidade política de Temer
 
De quebra, governo distribuiu com governadores e prefeitos o ônus de mexer no sistema previdenciário dos servidores públicos (Euclides Lucas Garcia e João Frey)
Em mais um de uma série de recuos na reforma da Previdência, o presidente Michel Temer (PMDB) livrou servidores públicos estaduais e municipais das mudanças previstas na proposta em tramitação na Câmara.

O anúncio feito nesta terça-feira (21) expôs mais uma vez a fragilidade política do projeto, que precisa de 308 dos 513 votos para ser aprovado na Casa. E, de quebra, distribuiu com governadores e prefeitos o ônus de mexer no sistema previdenciário dos servidores públicos.

O governo já havia deixado de fora da reforma Forças Armadas, policiais militares e bombeiros, começando a jogar por terra a promessa de que as mudanças afetariam toda a população indistintamente. Agora, ao excluir mais setores do texto original, em vez de igualar ou ao menos aproximar as condições de acesso à aposentadoria, a reforma pode ampliar a disparidade que existe entre os direitos dos trabalhadores da iniciativa privada e do funcionalismo público.

Exatamente por isso, os deputados de diversos partidos – inclusive do PMDB – prometem apresentar uma série de emendas que contrariam a ideia de endurecer o sistema previdenciário e, segundo o Palácio do Planalto, podem tornar a reforma inócua.

Depois de grande pressão recebida de professores e policiais civis nas bases eleitorais e que resultaram na retirada dos servidores estaduais e municipais do projeto, os parlamentares se articulam para flexibilizar ou até retirar as mudanças para trabalhadores rurais, pessoas com deficiência e idosos em situação de miserabilidade.

Da mesma forma, o ponto crucial do projeto, que institui idade mínima de 65 anos para a aposentadoria, também deve ser alterado – e Temer já teria consciência disso. Em paralelo, o presidente ainda terá de enfrentar uma CPI da Previdência no Senado, que foi protocolada nesta terça com o apoio de 61 dos 81 parlamentares.

“O governo errou muito na estratégia. Se faz uma proposta pesada para o trabalhador, mas, tecnicamente possível, seríamos capazes de aprimorá-la. Mas apresentaram um projeto com foco político, construído por quem não entende de previdência”, critica um deputado federal aliado. Ele cita como um dos fatores da derrocada do projeto do governo a desaprovação maciça da gestão Temer – pesquisa Ipsos realizada no mês passado apontou 78% de desaprovação para o atual presidente da República.

“Um governo com uma aprovação dessas e tão fragilizado com denúncias e mais denúncias jamais vai convencer os parlamentares a votar um projeto que não tem a simpatia da população. Não adianta dar cargos, ministério, pagar emendas”, afirma. “Eu recomeçaria do zero e apresentaria uma nova proposta.” (Fonte: Gazeta do Povo)
_
Últimas Notícias
> Brasil fica em 25º lugar em ranking global de desempenho do PIB com 51 países
> Governo faz parceria com bancos para oferecer serviços por meio de canais digitais
> Caixa reabre PDV para adesão até o dia 11 de dezembro
> BRADESCO: Testagem do Covid será ampliada para dependentes
> Proposta prevê acordo entre empresa e trabalhador sobre FGTS no pós-pandemia
> ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA
> Em sua primeira semana, Pix registra R$ 9,3 bilhões em transações
> Empregados de empresas estatais têm salário médio de até R$ 31,3 mil
> INSS e Ministério Público assinam acordo para zerar fila de espera por benefícios
> RANCHO DOS BANCÁRIOS - AGENDE SUA RESERVA
> Presidente garante que, em sua gestão, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Casa da Moeda não serão entregues à iniciativa privada
> Centrais sindicais lançam campanha pela manutenção do auxílio de R$ 600
> Disponível o jornal do mês de Setembro/2020
> CONTEC, Federações e Sindicatos assinam CCT FENABAN
> Bancário do Bradesco consegue majorar indenização por transportar valores entre bancos

José Carlos de Andrade - Caixa 24/01
Veja lista de aniversariantes do mês  
Selos

 

     

® 2012 - SINTRAF - Todos os direitos reservados. - Avenida Santo Antônio, 200 - Sala 04 | Poços de Caldas - MG| Cep 37701-036 | Tel.: (35) 3721-9804 Domynio