Sindicato

Notícias
Caixa lidera a conquista de contas
 
Reduzir os juros em várias linhas de crédito foi a estratégia decisiva para que a Caixa Econômica Federal vencesse no ano passado a corrida por novos clientes. O banco estatal registrou a abertura de 3,45 milhões de contas correntes, com um crescimento de 18%, a mais rápida expansão entre as cinco maiores instituições financeiras do país. Banco do Brasil e Itaú Unibanco vêm a seguir, com o acréscimo de 2,66 milhões e 2,57 milhões de contas.

O ingresso de novos correntistas na Caixa se acentuou após abril, quando o banco cortou os juros dos empréstimos pessoais, financiamento a veículos, cartão de crédito, consignado e outras linhas, diz Katia Maria Loureiro Torres, superintendente de clientes da Caixa. Para ter acesso ao custo reduzido do crédito, os clientes precisam transferir suas contas-salário para a Caixa, por isso o banco foi beneficiado pela portabilidade, usada por 480 mil pessoas.
Se a atriz Camila Pitanga recebesse bônus pela quantidade de negócios gerados pelas propagandas que faz, certamente teria conseguido um polpudo cachê extra da Caixa Econômica Federal no ano passado. Estrelados por ela, os anúncios na televisão para propagar a redução de juros das operações de crédito ajudaram o banco estatal a ter um crescimento de 18% no número de contas correntes, a maior expansão alcançada entre as cinco maiores instituições financeiras do país. Tanto em termos percentuais como em números absolutos.

A Caixa contabilizou a abertura de 3,45 milhões contas em 2012, encerrando o ano passado com 22,5 milhões delas. Segundo Katia Maria Loureiro Torres, superintendente de clientes da Caixa, o ritmo de abertura se acentuou depois de abril, quando o banco reduziu as taxas de juros de várias linhas de crédito, como consignado e veículos.

Como para ter acesso ao custo reduzido do crédito os clientes precisam, em alguns casos, transferir suas contas-salário para a Caixa, o banco acabou faturando em correntistas. Cerca de 480 mil pessoas fizeram a portabilidade.

Levantamento feito pelo Valor leva em consideração critérios adotados pelo Banco Central, que contabiliza a quantidade de contas em um banco, independentemente de uma mesma pessoa ter mais de uma conta. Depósitos que não estão sendo movimentados também entram no cálculo. Cada um à sua maneira, os bancos costumam trabalhar esses números para apresentá-los no balanço. Alguns excluem, por exemplo, duplicidade de CPFs (Bradesco) ou contas de depósitos judiciais (BB). Por ambas as metodologias, porém, o ranking de contas dos bancos se mantém inalterado. (ver tabela)

O Banco do Brasil (BB), que também foi à TV com o ator Reynaldo Gianecchini, acabou 2012 com uma expansão mais modesta de contas em termos percentuais, de 6,38%, na quarta posição. Mas, em termos absolutos, o BB registrou o segundo maior crescimento de base. Entre aberturas e fechamentos de contas, conquistou 2,66 milhões em 2012, alcançando 44,3 milhões de novas contas correntes.

Simão Kovalski, gerente-executivo de clientes do BB, diz que o banco preferiu vender produtos e serviços para os correntistas que já tinha dentro de casa, em vez de partir para a conquista de uma nova clientela. "Ativamos 9,5 milhões de correntistas que estavam na base, mas que não trabalhavam com o banco", afirma. "No ano passado, esses clientes consumiram em média dois produtos do banco."

Em sua maioria, foram essas pessoas que já estavam no cadastro do BB que sustentaram a expansão de 24,3% que a carteira de crédito do banco teve no ano passado. As modalidades mais consumidas foram o cartão de crédito, o financiamento de veículos e o crédito consignado.

Com o Banco Postal, rede de correspondentes bancários dentro das agências dos Correios, o Banco do Brasil conquistou 600 mil novos correntistas em 2012. Até o fim de 2011, o contrato do Banco Postal, que dá acesso aos bancos a mais de 6 mil pontos, pertencia ao Bradesco.

Proporcionalmente ao tamanho da base de clientes anterior, o segundo banco que mais conquistou clientes foi o Santander. O banco terminou 2012 com 20,8 milhões de contas correntes em um ano marcado por recorrentes boatos, desmentidos pela instituição, de que deixaria de operar no país. Registrou um crescimento de 7,6% em contas em 2012 ante 2011.

Segundo Luís Felix Cardamone Neto, vice-presidente do Santander, boa parte dessa expansão se deve às contas abertas por empresas. Por meio de uma "joint venture" com a gaúcha GetNet, o Santander vem ganhando espaço no mercado de adquirência de cartões de crédito
_
Últimas Notícias
> ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA
> Em sua primeira semana, Pix registra R$ 9,3 bilhões em transações
> Empregados de empresas estatais têm salário médio de até R$ 31,3 mil
> INSS e Ministério Público assinam acordo para zerar fila de espera por benefícios
> RANCHO DOS BANCÁRIOS - AGENDE SUA RESERVA
> Presidente garante que, em sua gestão, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Casa da Moeda não serão entregues à iniciativa privada
> Centrais sindicais lançam campanha pela manutenção do auxílio de R$ 600
> Disponível o jornal do mês de Setembro/2020
> CONTEC, Federações e Sindicatos assinam CCT FENABAN
> Bancário do Bradesco consegue majorar indenização por transportar valores entre bancos
> Gerente do Itaú receberá horas extras por tempo de espera em aeroportos em viagens a serviço
> Itaú ultrapassa Bradesco como marca mais valiosa do Brasil, aponta pesquisa
> ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA CCT 2020/2022 COM VOTAÇÃO ONLINE
> CAMPANHA SALARIAL DOS BANCÁRIOS 2020 – 15ª Reunião da Fenaban
> Campanha salarial 2020 – BANCO DO BRASIL S.A.

Veja lista de aniversariantes do mês  
Selos

 

     

® 2012 - SINTRAF - Todos os direitos reservados. - Avenida Santo Antônio, 200 - Sala 04 | Poços de Caldas - MG| Cep 37701-036 | Tel.: (35) 3721-9804 Domynio